quinta-feira, março 20, 2008

Eu, você, nossos laços.


Era comum nos sábados de sol você me trazer incenso em sua perua laranja e ouvirmos Janis Joplin no parque. Sabíamos nos divertir enquanto a maioria se lamentava. Enquanto a fumaça subia junto com nossos pensamentos, nosso corpo rodopiava como ventania em dia de chuva. Janis cantava para nós dois e sei que você jamais ouviria – a sozinho, de pernas cruzadas em um quarto escuro. Aqueles gritos roucos ecoavam pelo céu, transmitindo nostalgia de algo que nem aconteceu. O passado passou, mas o grito rouco se prolonga em nossas mentes enquanto existir vida. Você se esquecerá de mim, mas não de Janis.

Um dia, ela cantou pra nós dois.


Um comentário: